Marrocos anuncia que vai formalizar reintegração na União Africana

Vitrina 07 set – O ministro dos negócios estrangeiros e da cooperação marroquina, disse hoje que o seu país vai pedir “nos próximos dias” a reintegração na União Africana (UA) que abandonou há 30 anos, recusando-se, contudo, reconhecer o Saara Ocidental como estado.

 “Nós já anunciamos a nossa intenção de regressarmos ao seio da instituição, mas vamos formaliza-la nos próximos dias”, disse esta tarde Saloneddine Mezouar durante um encontro com jornalistas africanos que visitam o Marrocos no âmbito da 22ª Cimeira sobre o Clima que terá lugar neste país de 07 a 18 de Novembro próximo.

“Há quem diz que os atos constitutivos da União Africana estabelece que o país que pede a reintegração deve se engajar as suas normas. Mas queremos dizer que regressar ao seio da União Africana não quer dizer que reconheçamos qualquer fantoche”, acrescentou.

Marrocos abandonou a União Africana, na altura Organização de Unidade Africana (OUA), há 30 anos depois que essa organização reconheceu a Republica Árabe Sarauí Democrática como membro.

“Marrocos nunca abandonou a África, Marrocos é um país africano que se afastou desse instituição por ter constatado uma anomalia contra o seu território e sua população, que consideramos a maior violação das regras dessa organização continental”, esclareceu o ministro.

Passados 30 anos esse país do norte da África propõe-se regressar a organização continental.

“Nós decidimos regressar ao seio dessa instituição porque os interesses da África de hoje serão determinantes para o continente. A maior parte dos países africanos são amigos que insistiram para que o Marrocos reveja a sua posição, porque consideram que o Marrocos é um país que poderá enormemente ajudar a instituição”, explicou.

Os desafios em jogo para a áfrica são tal que a presença de Marrocos no seio da organização africana são para reforçar a organização, unir o conjunto dos estados africanos e jogar um papel importante no âmbito dos interesses que o ocidente tem para a África”, acrescentou. 

No encontro dominado pela situação do Saara Ocidental o governante marroquino considerou o país anexado como “estado fantoche”, acusou a OUA de ter cometido “uma anomalia histórica”, sublinhando que cabe agora as Nações Unidas resolver “essa anomalia histórica”. Assegurou que o “combate (contra a desanexação do Sara Ocidental) continua”, propõe a atribuição pelo seu país de “autonomia alargada” ao Saara Ocidental, mas diz que é a ONU quem deve encontrar uma solução para o conflito na base dessa proposta que segundo ele acolhe o consentimento de vários estados africanos.

“É uma proposta séria, uma solução politica que pensamos, resolve definitivamente esse problema”, disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação do Reino de Marrocos.

Voltar 

 

 

 

 

"Vitrina", Propriedade da PRESSCO, Lda., Sociedade de Prestação de Serviço nas Áreas da Comunicação Social - Contribuinte nº

199150 - S. Marçal - S.Tomé - RDSTP,  Cx. Postal  628 - Telm: +239 990 33 30

diariovitrina@hotmail.com  / Webmaster HSA